O uso da tecnologia varia impressionantemente de empresa para empresa. Enquanto algumas estão alinhadas com as mais modernas soluções, outras seguem ancoradas no passado, sem falar naquelas que se encontram entre cada um desses pólos. Essa variação pode levar a um uso de diferentes tipos de sistema dentro da infraestrutura da empresa, ou seja, softwares e OS diferentes para lidar com os bancos de dados corporativos. Neste artigo, discutiremos o que você ganha ao investir na integração dos sistemas corporativos – ou seja, na comunicação entre eles. 

A Integração dos sistemas está diretamente associada à modernização de softwares antigos, à criação de um ambiente propício à inovação na empresa, à garantia da qualidade e sustentação da estrutura existente e, claro, a segurança e confiabilidade dos bancos de dados da companhia. A ideia é criar uma base comum de diálogo entre os sistemas utilizados, ou seja, identificar uma solução adequada para a empresa, os bancos de dados mais estratégicos e fazer uma migração planejada, orientada e com o menor atrito possível. 

 

Vantagens da integração dos sistemas corporativos

A integração pode acontecer em diferentes níveis e diferentes departamentos da empresa, Recursos Humanos e Financeiro, gestores e Governança etc. Assim, é possível estimular uma fluidez melhor dos processos internos. Além disso, há o aspecto prático da economia no número de licenças de usuários, uma vez que o sistema integrado tem um licenciamento bem mais vantajoso do que custear licenças para cada dispositivo que acesse o banco de dados ou, pior, do que se expor a riscos graves com versões ilegais. 

Outra vantagem da integração é a facilidade de atualização dessas ferramentas. Com uma sinergia maior, diminui-se o trabalho e o tempo necessários para colocar as versões mais recentes ativas. O suporte também fica muito mais fácil quando você reduz o número de soluções utilizadas, podendo recorrer à mesma equipe especializada para resolver um leque maior de complicações.  

Por esse e outros fatores, fica evidente a maior vantagem da integração de sistemas: redução de custos. A otimização dos processos, o alinhamento interno e a redução de burocracias aceleram a produção da empresa, ajudando a melhorar os resultados. 

 

Níveis de Integração 

Certamente, a realidade de cada empresa, cada segmento de atuação, cada momento de saúde financeira ou posicionamento estratégico irá permitir/demandar uma forma específica de integração. De modo geral, é possível dividir a integração em cinco níveis. Veja só: 

 

Nível 1: Manualmente realizada, uma integração incipiente, menos técnica e mais interpessoal. 

Nível 2: Uma ferramenta específica faz uma ponte entre dois bancos de dados que operam em sistemas diferentes.  

Nível 3: Consiste na troca eletrônica de dados. Um sistema os exporta e outro sistema os importa. 

Nível 4: Com dois ou mais sistemas compartilhando a base de dados, como os softwares de ERP. 

Nível 5: O mais elevado. Integra os sistemas de forma transparente, provavelmente por meio de API. Então, as informações trocadas dizem respeito ao próprio funcionamento do banco de dados, de forma compartilhada.  

 

Como você pode perceber, a integração de sistemas não pode ser feita abruptamente e, inclusive, com uma parceria especializada, fica muito mais fácil estabelecer parâmetros e metas de evolução. Bem como, estar atento a inovações e peculiaridades da rede, exemplo, uso ou não de dispositivos smart na rede que será integrada. 

Caso queria saber outras formas de tornar sua empresa mais eficiente e ainda economizar, leia nosso artigo “Como reduzir os custos com cloud computing”. 

Autor

Marney Muller
Marney Muller
Formado em Administração de Empresas pela UFRGS, com mais de 20 anos de experiência e atuação no ramo corporativo de Tecnologia. Possui a certificação de negócios Cisco Business Value Specialist.